28 julho , 2016

A história do produtor rural Orlando Barros é exemplo de perseverança, dedicação e amor à pecuária. Com mais de 70 anos, mudou o endereço da propriedade, do Pantanal sul-mato-grossense para a Fazenda Santa Marcelina, em Rochedo, onde há pouco mais de dois anos investe na criação de bovinos para corte da raça Nelore e Angus.
“Minha família sempre teve propriedade na região da Nhecolândia, no entanto, com a divisão da herança decidi vir para o planalto. Lá o acesso era difícil por falta de boas estradas, energia elétrica e encontrava dificuldades até para implantar um manejo de pasto. Depois que cheguei aqui tudo melhorou e até minha família está mais unida, já que podemos nos encontrar com mais frequência”, declara Barros.

Com pouco mais de um ano trabalhando na propriedade, o produtor conheceu o programa Mais Inovação, do Senar/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural que oferece assistência técnica e gerencial com foco na inserção de inovação tecnológica, aptidão de uso do solo, gestão e orientação sobre sistemas produtivos sustentáveis. Com quatro anos de funcionamento atende 195 produtores em 29 municípios do Estado.

Assim que iniciou as atividades, Barros tinha objetivo de trabalhar com engorda, mas, depois das orientações recebidas no programa iniciou um modelo de planejamento e diversificação das atividades. “Tenho uma boa estrutura aqui e já comecei a preparar um lote de animais para cria, recria e engorda. Com auxílio do técnico de campo do Senar/MS já reformei sete hectares de pastagens, plantei Piatã e Braquiarão e inseri o sistema rotacionado para engordar o rebanho sem necessidade de ração. O próximo passo é iniciar o plantio de milho e soja para produção de silagem própria”, detalha.

Alunos dedicados – O técnico de campo do Mais Inovação, Danilo Brito, é responsável pela assistência técnica na fazenda Santa Marcelina e destaca a disposição e boa vontade do produtor. “A colaboração do senhor Orlando foi fundamental para os resultados positivos que verificamos aqui. A área de pastagem estava degradada e com alto índice de plantas invasoras e após as mudanças no manejo passou de uma taxa de lotação de 0,5 para 2 animais por hectare. Mesmo estando no período de seca, o rebanho possui um pasto com alta qualidade nutricional”, argumenta.

Estimulada pelo pai, Márcia Barros resolveu voltar para Mato Grosso do Sul para auxiliar na gestão da propriedade. “Morei fora do Brasil e quando retornei me instalei no Rio de Janeiro onde administrei por oito anos, sete lojas da cadeia Starbucks. Apesar da formação em Nutrição percebi minha vocação por gestão e decidi trabalhar com meu pai e assim, ficar mais próxima da minha família”, revela.

Aplicada, Márcia conta que já participou de vários cursos do Senar/MS, com intuito de se conhecer melhor as atividades rurais desenvolvidas na agropecuária. “Venho de uma família que há várias gerações trabalha com gado de corte no Pantanal e posso afirmar que a lida no planalto oferece mais condições de diversificação. Conclui cursos de Manejo de Pastagens e Administração Rural e agora estou me especializando em gestão de agronegócios”, acrescenta.

Na avaliação da família Barros, o apoio do sindicato rural foi essencial para que participassem do programa e das capacitações oferecidas aos produtores rurais. “Somos associados ao sindicato rural de Campo Grande e a equipe sempre nos avisa sobre cursos e palestras, tanto que meu pai ficou sabendo do Mais Inovação pelo trabalho de mobilização”, pontua Márcia, enquanto o pai complementa: “Estou satisfeito com o atendimento que recebi e quero contribuir, abrindo as portas da minha propriedade para realização de futuros cursos. Acredito que é uma oportunidade para que os produtores rurais possam se unir ainda mais e trocar experiências sobre a atividade que desenvolvem”, finaliza.

Fonte: Agrolink

Voltar
Top